O que nós temos compartilhado?

11:19

Oi meninas!

Eu escutei uma mensagem sábado que me tocou muito. Falava, basicamente, sobre como sofremos influência o tempo inteiro e o quanto isso interfere nas nossas atitudes. Somos bombardeadas de informações, de notícias, de tendências e de julgamentos. A sociedade nos impõe o que é certo e o que é errado. O que é sucesso e o que é fracasso. Mas, já pararam para pensar se o que a sociedade dita realmente é o certo?



Parei para refletir sobre o que eu tenho compartilhado por aqui, no nosso cantinho virtual. Que tipos de influências eu tenho trazido, o que eu coloco na tela das leitoras que vai entrar na mente e no coração delas. E tomei uma decisão: só quero compartilhar coisas boas. O bombardeio é tanto e tão constante, que a gente precisar de um ar limpo para respirar. Não quero ser uma má influenciadora, compartilhando tendências sem propósito, incentivando o consumismo desenfreado, induzindo compras caras e sem necessidade ou influenciando meninas a saírem em busca da beleza a qualquer custo. Quero compartilhar boas experiências, viagens bacanas, dicas de restaurantes bonitos, mensagens legais, dicas de moda úteis, dicas de beleza saudáveis e tudo  o que for bom!!

Tomei consciência ao perceber o quanto nós, mulheres, podemos ser pressionadas de todos os lados pela sociedade e pela mídia. Uma das maiores influências que sofremos se tornou tão sutil que está por todos os lugares, escancarada, e faz milhares de vítimas o tempo inteiro no mundo inteiro: a beleza. Claro, adoro falar sobre beleza, produtos para a pele, para os cabelos, dicas de maquiagem e etc. Mas isso são os nossos prazeres femininos. O problema é quando nós passamos a nos cobrar uma beleza tão inatingível, tão longe do que somos que isso passa a nos fazer mal. Não nos aceitamos mais e passamos a só procurar defeitos no espelho. Isso pode acarretar tantos problemas, gurias, mas tantos problemas, que depressão pode ser só início. Precisamos cuidar para encontrar um equilíbrio em relação a isso: nos sentirmos bonitas, mas que a busca incansável pela beleza não esteja guiando nossos corações. É tão sutil e tão fácil sermos influenciadas pelos padrões de beleza que a sociedade impõe que, quando vemos, só cuidamos da aparência, da carcaça, do que vai embora, e esquecemos de cuidar do que realmente importa e do que, de fato, é belo: nossa essência. Quem quer ser linda por fora e feia por dentro? Então, vamos sim nos sentir bonitas, trocar dicas de maquiagem, de produtinhos mara e etc, mas não vamos, em hipótese alguma, esquecer de praticar o que realmente nos deixa belas: a mansidão, o domínio próprio, as palavras doces e o ombro amigo.

Além da beleza, vai parecer irônico o que eu vou falar, mas outro fator que nos influencia diretamente é a moda. Mas como eu falo isso sendo formada em moda e tendo um blog de moda? Eu falo justamente por esses dois motivos. Com a experiência, comecei a discernir o quanto a moda age e balança a vida das meninas. Tudo o que é tendência, a mulherada quer. Pode ser lindo, pode ser esquisito, pode ficar ótimo no corpo, pode ficar não tão bem no corpo, pode ter a nossa cara ou pode não ter a nossa cara. A mídia consegue vender tão bem o que devemos vestir que é fácil comprar no automático. Aqui, a solução é: temos que ter filtros: fica bem em mim? Tem o meu estilo? É comportado? É muito caro? Posso pagar por isso? Preciso disso?

E a moda anda conjuntamente ao consumismo. Claro, as empresas precisam vender. Dependem das vendas e isso não é errado. É o sistema! Gera empregos, sustenta famílias, faz a economia crescer. Mas a busca desenfreada por compras-compras-compras também não faz bem. Quem começa a gastar o que não tem, pare para dar refletir. A coisa pode começar a estar ficando feia. Consuma consciente!



Beijinhos!!!

Pv 31.30 − Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa será louvada.

You Might Also Like

0 comentários

Comente aqui!